Robson

Primeira pesquisa de segundo turno mostra Aécio 8% na frente de Dilma

Dilma e Aécio durante debate na Band / Miguel Schincariol/AFP

Dilma e Aécio durante debate na Band / Miguel Schincariol/AFP

Pesquisa divulgada pela revista ÉPOCA nesta quarta-feira aponta o candidato do PSDB, Aécio Neves, com 49% das intenções de voto, contra 41% de Dilma Rousseff (PT) – 10% não sabem ou não responderam. O levantamento foi feito pelo instituto Paraná Pesquisas.

Em votos válidos, Aécio teria 54% dos eleitores, contra 46% de Dilma.

O instituto entrevistou 2.080 eleitores de 152 municípios em 19 Estados. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Na pesquisa espontânea, em que os nomes dos candidatos não são apresentados, Aécio tem 45% e Dilma tem 39%.

APOIO

EDUARDO JORGE: O PV declarou apoio ao candidato à Presidência da República Aécio Neves (PSDB) no segundo turno das eleições. A decisão foi tomada hoje (8) pela maioria dos membros da executiva do partido. Foram 33 votos a favor do apoio a Aécio, 6 pelo apoio à candidata Dilma Rousseff (PT) e 3 abstenções.

O candidato do PV à Presidência no primeiro turno, Eduardo Jorge, disse que o partido encontrou maior convergência com as propostas de Aécio Neves. Segundo Eduardo Jorge, apesar do apoio, o PV manterá uma postura crítica e de independência.

“O critério com que o PV faz essa indicação são dois elementos muito importantes, o elemento crítico e o da independência. Crítico porque reafirmamos nossas bandeiras. Não vamos arriar as bandeiras que levantamos no primeiro turno. O segundo é a independência. Não estamos pedindo nada, estamos fazendo isso porque acreditamos que, no confronto entre as duas candidaturas, essa é a mais próxima das nossas teses”, destacou.

PASTOR EVERALDO: O Pastor Everaldo, por sua vez, falou sobre um governo de Aécio voltado aos pobres. Everaldo disse que Aécio “representa a verdadeira mudança que o país está precisando”. Ele destacou o compromisso do candidato tucano em manter o Bolsa Família, e encerrou dizendo: “Conte comigo, Aécio”.

LUCIANA GENRO: Por maioria absoluta de votos [15 a 2], a Executiva do PSOL decidiu liberar seus filiados e não apoiar qualquer candidatura no segundo turno das eleições presidenciais.

Mesmo sem declarar apoio à candidata do PT à reeleição, Dilma Rousseff, o partido vai recomendar aos militantes que não votem no candidato do PSDB, Aécio Neves. “Não é cabível qualquer apoio de nossos filiados à sua candidatura”, diz documento do PSOL sobre o tucano.

“O partido não está se posicionando em favor de nenhuma candidatura, mas é contra a de Aécio”, afirmou Luciana Genro, que disputou a Presidência da República pelo PSOL e ficou em quarto lugar, com mais de 1,6 milhão de votos. Em entrevista na tarde de hoje (8), Luciana disse que não é uma posição totalmente neutra, porque, embora não se alinhe a qualquer dessas opções, nega o voto em Aécio.

Em conversa com jornalistas, Aécio Neves disse que se for eleito, no próximo dia 26, fará um governo voltado para as camadas mais pobres da sociedade. “Eu serei o presidente de todos os brasileiros, e principalmente daqueles que mais precisam da ação do Estado. Serei o presidente dos brasileiros mais pobres. Serei o presidente de todos”, enfatizou.

Aécio disse ainda esperar que a campanha pelo segundo turno das eleições seja pautada na apresentação de ideias para melhorar o país. “Eu não trato um adversário como um inimigo a ser batido de qualquer forma. Eu estou numa campanha política, e não em uma guerra. Quero apresentar propostas. Quero convidar a senhora presidente da República a fazer uma campanha de alto nível, onde ela possa dizer o que pensa em relação ao Brasil, onde ela tenha a oportunidade de dizer de que forma vai fazer a economia crescer, como controlar a inflação”.

O candidato do PSDB manteve o discurso paciente sobre a possibilidade de receber o apoio de Marina Silva, terceira colocada no primeiro turno. “Agradeço a todos eles [partidos que já oficializaram apoio], eu os quero nesta caminhada agora, e vamos aguardar que os outros candidatos e partidos tenham seu tempo para tomar a sua decisão”, concluiu.

Com informações do Site Band/Agência Brasil

Horário de verão começa no próximo dia 19

horario_veraoO horário brasileiro de verão 2014/2015 começa no dia 19 deste mês, quando os relógios serão adiantados em uma hora nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. A medida, adotada para economizar energia no horário de maior consumo, vai até o dia 22 de fevereiro do ano que vem.

Pelo decreto que instituiu o horário de verão, a medida deve ser iniciada sempre no terceiro domingo de outubro e encerrada no terceiro domingo de fevereiro do ano subsequente. Mas, no ano em que houver coincidência com o domingo de carnaval, o fim do horário de verão deve ser no domingo seguinte. Como em 2015 o carnaval será no dia 17 de fevereiro, o horário de verão deverá acabar no dia 22 de fevereiro. O objetivo é evitar que, em meio a um feriado, alguns esqueçam de ajustar os relógios.

O horário de verão, instituído pela primeira vez em 1931, é adotado sempre nesta época do ano para aproveitar melhor a luminosidade natural do dia e reduzir o consumo de energia, que cresce naturalmente por causa do calor e do aumento da produção industrial às vésperas do Natal. Com o horário de verão é possível reduzir a demanda por energia no período de suprimento mais crítico do dia, entre as 18h e as 21h, quando a coincidência da utilização de energia elétrica por toda a população provoca um pico de consumo. Com a redução, o uso de energia gerada por termelétricas pode ser evitado, reduzindo o custo da geração de eletricidade.

Segundo o Ministério de Minas e Energia, nos últimos anos a redução média da demanda de energia tem sido em torno de 5% nas regiões onde foi aplicado o horário de verão. “As análises também demonstram que a redução da demanda de ponta tem evitado novos investimentos, da ordem de R$ 2 bilhões por ano, na construção de usinas geradoras de energia. A economia no consumo de energia, em megawatt-hora, em torno de 0,5%, é considerada como ganho decorrente, ou marginal, mas não pode ser desprezado”, informa o ministério.

Da Agência Brasil

Receita abre consulta ao 5º lote de restituição do IR

irpfA Receita Federal abre hoje (8), às 9h, consulta ao quinto lote de restituição do Imposto de Renda Pessoa Física 2014 (ano-base 2013). Também será liberada a consulta a lotes residuais das declarações de 2013 a 2008 (anos-base 2012 a 2007).

No total, 2.031.834 contribuintes receberão R$ 2,2 bilhões. Em relação ao exercício de 2013, a Receita pagará R$ 2,113 bilhões a 2.001.743 pessoas físicas, com correção de 5,42%, correspondente à variação da taxa Selic (juros básicos da economia) entre maio e outubro deste ano.

Em relação aos lotes de anos anteriores, 30.091 contribuintes receberão R$ 86,856 milhões. Os pagamentos terão as seguintes correções: 14,32% (para as declarações de 2013), 21,57% (2012), 32,32% (2011), 42,47% (2010), 50,93% (2009) e 63% (2008). Os índices equivalem à taxa Selic acumulada de maio do ano de entrega da declaração a este mês.

A relação dos beneficiados ficará disponível na página da Receita na internet. A consulta também poderá ser feita pelo telefone 146 ou por meio de tablets e smartphones com os sistemas iOS (Apple) ou Android.

O dinheiro será depositado no próximo dia 15 nas contas informadas nas declarações. Caso o valor não seja creditado, o contribuinte poderá ir a qualquer agência do Banco do Brasil ou ligar para os telefones 4004-0001 (capitais) e 0800-729-0001 (demais localidades). Nesse caso, o declarante terá de agendar o crédito em conta-corrente ou poupança, em seu nome, em qualquer banco.

Da Agência Brasil

Seminário vai construir Plano Municipal Pela Primeira Infância em Sertânia

criançaprimeiraA Prefeitura de Sertânia e o Conselho Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e Adolescente (Comdeca) realizam, nesta quarta-feira (08), às 8h30, no Eremob, o Seminário Para Construção do Plano Municipal de Pela Primeira Infância.

Com a participação de representantes de instituições governamentais e da sociedade civil organizada, o seminário tem como objetivo construir um plano com ações para potencializar as iniciativas já existentes e criar novas estratégias para melhorar a qualidade de vida das crianças.

O Plano Municipal de Pela Primeira Infância é uma das etapas do Selo Unicef Município Aprovado – Edição 2013/2016.

Da ASCOM

Programa de governo será a base para o diálogo sobre o segundo turno, afirma Marina

pronunciamentovaleesteApós o fechamento da apuração dos votos em todo o Brasil, Marina Silva, candidata à Presidência pela Coligação Unidos pelo Brasil, fez um pronunciamento para avaliar o resultado da eleição e as perspectivas para o segundo turno. Marina conquistou 21,3% dos votos e a terceira colocação na corrida presidencial.

A presidenciável discursou para uma plateia de convidados, jornalistas, militantes e simpatizantes da campanha. “Quero agradecer de modo especial à minha família, aos coordenadores da campanha, Walter Feldman e Luiza Erundina, ao Beto [Albuquerque], meu amigo e companheiro de jornada, e a todos os que participaram da campanha”, falou Marina. “Essa jornada começou em 5 de outubro de 2013, há exatamente um ano, quando eu e Eduardo Campos fechamos uma aliança com as seguintes diretrizes: aprofundar a democracia, melhorar a qualidade da política, fazer com que a sociedade brasileira encontrasse o caminho para se reconectar com as instituições e as lideranças políticas”, disse.

Marina fez questão de reforçar que a decisão de que “não vale ganhar a qualquer custo” não é uma estratégia de campanha, mas sim, uma visão de mundo. A candidata avaliou como positiva sua participação no debate eleitoral por ter valorizado a discussão de ideias, com respeito aos eleitores e aos adversários políticos. “Meu objetivo de vida não era destruir a Dilma ou o Aécio, era somente construir o Brasil que merecemos, acabar com essa polarização que leva o país aos extremos”, comentou.

“Não faço parte da ética de circunstâncias. Neste momento, não estou aqui como derrotada, mas como alguém que continua de pé porque não teve de abrir mão dos princípios para ganhar a eleição”, destacou Marina, ao lado de Beto Albuquerque. O candidato a vice afirmou que cumprirá o mandato de deputado federal pelo Rio Grande do Sul e depois “avaliará os rumos profissionais e políticos de sua carreira”.

Para o segundo turno, a posição da Coligação Unidos pelo Brasil será tomada com base no diálogo feito a partir do programa de governo. Marina afirmou que os partidos que compõem a aliança (PSB, Rede, PPS, PPL, PRP, PHS e PSL) tomarão uma decisão conjunta. “Nossos partidos haverão de se reunir individualmente, depois vamos nos unir coletivamente. Queremos que o nosso processo nos mantenha unidos”, declarou.

“Nosso programa é a base de qualquer diálogo para a mudança que o Brasil já assinalou que deseja. O Brasil votou, em uma grande parte, contra aquilo que identifica como errado no atual governo. E votou também por uma mudança qualificada, a mudança que não está na lógica da oposição pela oposição e nem da lógica da situação pela situação”, disse Marina.

“Nós temos como referência de todo nosso processo melhorar a qualidade da política, ampliar e aprofundar nossa democracia. A sociedade brasileira expressou essa vontade de ver aquilo que ela mais deseja, que é esse país dando certo, que deixe de ser gigante pela própria natureza para ser gigante pelas decisões que tomarmos a partir daquilo que oferecemos, o nosso programa”, declarou.

Da ASCOM

Paulo Câmara promete visitar 12 regiões de pernambuco para definir prioridades em seu governo

Paulo Câmara concedeu entrevista coletiva na Zona Sul do Recife (Foto: Luna Markman / G1)

Paulo Câmara concedeu entrevista coletiva na Zona Sul do Recife (Foto: Luna Markman / G1)

O governador eleito de Pernambuco no pleito deste domingo (5), Paulo Câmara (PSB), afirmou que sua primeira medida após a posse será viajar ao estado ao lado de seu vice, Raul Henry (PMDB), para detectar as prioridades de cada região. A declaração foi dada em um evento com jornalistas e correligionários no Recife Monte Hotel, em Boa Viagem, Zona Sul da capital. Câmara foi lançado oficialmente como candidato do partido neste mesmo hotel, em evento realizado em fevereiro, ao lado do ex-governador Eduardo Campos.

“Tão logo assumirmos o governo, eu e Raul, nós vamos fazer o Todos por Pernambuco, que é um processo que culmina na visita às 12 regiões do estado. Nós vamos ouvir a população e, a partir desse processo de escuta, definir as prioridades do nosso programa de governo”, explicou.

O governador eleito também afirmou que a vitória obtida neste pleito reflete a aprovação do modelo de gestão implantado por Eduardo Campos. Ele creditou o resultado das eleições à “consciência do povo pernambucano”. “É um modelo de governança que faz as entregas, que tem resultado, que tem medição. Essa forma de governar já tinha sido aprovada quatro anos atrás, quando Eduardo obteve a maior votação como governador do país”, disse.

“Aprendi muito com ele e agora é hora de continuar o seu trabalho, e a gente vai continuar sim, honrando o legado de Eduardo e fazendo aquilo que ele me pediu para fazer quando me convocou para essa tarefa: cuidar do nosso povo”.

Câmara comentou ainda a possibilidade de algum dos três filhos mais velhos do ex-governador assumirem um cargo em seu governo. “Eles estão estudando e são quadros que têm condição, hoje, de avançar muito no serviço público se quiserem. Mas isso não é uma discussão para o momento”, resumiu. O socialista afirmou que vai começar a discutir o processo de transição com o atual governador, João Lyra Neto (PSB), e somente mais à frente irá pensar na composição do secretariado.

Sobre a relação com o PT e o PTB, que compuseram a coligação adversária e possuem as outras duas cadeiras do estado no Senado, Paulo Câmara afirmou ter a convicção que terá o apoio de todos os interessados no desenvolvimento do estado. “O cargo de senador, de deputado federal, deputado estadual, é um cargo delegado pelo povo. Todos têm responsabilidade e compromisso com a população de Pernambuco”, resumiu.

A coligação que deu sustentação à candidatura de Paulo Câmara foi composta por 21 partidos. De acordo com o candidato eleito, essas siglas vão ajudar o governo indicando técnicos qualificados para os cargos. Câmara ressaltou, no entanto, que só irá nomear quem esteja alinhado com a forma de trabalho do PSB.

Perfil
Recifense, Paulo Câmara tem 42 anos e é formado em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. Na mesma instituição, tornou-se especialista em Contabilidade e Controladoria Governamental e mestre em Gestão Pública. Auditor concursado do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PE), entrou para o governo estadual em 2007, como secretário de Administração. Em 2010, assumiu a secretaria de Turismo e, em janeiro do ano seguinte, a da Fazenda. Nesta última pasta, ficou até o início de 2014, quando foi indicado pelo partido para concorrer às eleições.

O ex-governador Eduardo Campos conduziu pessoalmente o processo de escolha do postulante ao governo. Câmara acabou sendo o selecionado em detrimento a outros quadros tradicionais do partido, como Danilo Cabral, Tadeu Alencar e Sileno Guedes – este último, atual presidente estadual do PSB. O ex-petista Maurício Rands, que coordenou o programa de governo da campanha de Marina Silva, também chegou a ser cogitado nos bastidores. Paulo Câmara é casado e pai de duas filhas.

Campanha
Inicialmente desconhecido pelo eleitorado pernambucano, Paulo Câmara iniciou a corrida pelo Palácio do Campo das Princesas em baixa nas pesquisas de intenção de voto. Com o início do guia eleitoral e a intensificação das agendas de rua, Câmara foi ganhando espaço aos poucos. Por conta da ampla coligação costurada por Eduardo Campos, composta por 21 partidos, o candidato teve direito a mais de 10 minutos para apresentar suas propostas na TV e no rádio. O socialista se apresentou ao longo da campanha como um quadro técnico que teve atuação destacada ao longo da gestão do PSB entre 2007 e 2014.

Passado o clima de comoção que tomou a campanha com a morte de Eduardo Campos, a família do ex-governador passou a ter uma participação mais ativa nas agendas de Câmara. Primeiro, o filho homem mais velho, João Campos, acompanhou a Frente Popular em vários atos no interior do estado. Na sequência, a viúva Renata e os outros filhos também subiram ao palanque. Na semana final de campanha, a família completa, com exceção do bebê Miguel, figurou ao lado de Paulo Câmara em comícios na área central do Recife – um deles, com a candidata do partido à Presidência, Marina Silva.

Propostas
Apesar de o plano de governo da candidatura só ter sido lançado a poucos dias das eleições, Paulo Câmara aproveitou as entrevistas na imprensa e o amplo espaço no guia eleitoral para divulgar suas propostas. Uma das principais delas, e talvez a que mais recebeu críticas dos adversários, foi a de dobrar o salário dos professores da rede estadual dentro de quatro anos. Também no campo da educação, prometeu universalizar as oportunidades nas escolas em tempo integral.

Durante a campanha, o postulante do PSB ainda atribuiu ao governo federal o atraso em algumas obras de mobilidade no estado, como o projeto de navegabilidade do Rio Capibaribe e o Arco Metropolitano. A estratégia foi utilizada por conta da polarização com Armando Monteiro, candidato apoiado pelo PT.

Na saúde, assim como o ex-governador Eduardo Campos, Paulo Câmara também fez promessas de construir novos hospitais, como o Geral de Cirurgias, no Grande Recife, e o Geral do Sertão, em Serra Talhada. Na mesma área, propôs a construção de mais seis UPAEs, voltadas para o atendimento especializado.

Do G1

Eleições 2014: Confira os deputados estaduais e federais eleitos por pernambuco

eleições 2014

Confira a lista dos deputados estaduais de pernambuco eleitos: Clique aqui!

Confira a lista dos deputados federais de pernambuco eleitos: Clique aqui!

Confira o resultado da apuração de votos em Sertânia, 100% das urnas apuradas

Confira o resultado completo da apuração das urnas em Sertânia.presidentegovernadorsenadorgovernadordep1dep2dep3dep4dep5dep6dep7dep8dep9dep9dep10dep11dep12dep13dep14dep15

Os outros candidatos a deputado estadual não obtiveram votos!

Prefeito Guga Lins inaugura o IF de Sertânia

O IF Sertão Pernambuco de Sertânia foi inaugurado oficialmente, nesta terça-feira (22), pelo prefeito Guga Lins, pela secretária de Educação, Marisa Valéria, e pelo Diretor-geral do Campus de Serra Talhada, Erbs Cintra.

O evento teve início às 17h com descerramento da placa do Instituto, na Rua Professor Moreira (antiga escola Sebastião Lafayette). Já a cerimônia oficial de inauguração foi realizada às 18h na Câmara de Vereadores. Durante o evento, foram apresentados em forma de cordel os trabalhos realizados pelos alunos do Curso Técnico em Meio Ambiente-Biomas.

“Estamos caminhando para transformar o IF de Sertânia em Campus, trazendo cursos de graduação e pós-graduação em diversas áreas. Isso para o próximo ano”, disse o Diretor-geral do Campus de Serra Talhada, Erbs Cintra.

Em Sertânia, já são oferecidos os cursos técnicos de Meio Ambiente e Multimeios Didáticos e ainda este mês tem início o curso à distância de Técnico em Segurança. Já foram realizadas as seleções dos tutores e dos alunos.

“O Campus Sertânia será o maior projeto de educação em toda a Região do Moxotó. Serão investidos R$ 25 milhões na construção da estrutura física e, quando estiver pronto, vai gerar 105 empregos diretos, atendendo 1.200 em diversos cursos” disse o prefeito Guga Lins, durante discurso.

os alunos da Escola Municipal de Danças Folclóricas Professora Elisabete Freire participaram do evento, mostrando a dança do coco, uma das mais típicas da nossa região.

Da ASCOM

A partir de hoje(30), o eleitor só pode ser preso em flagrante delito

algemadoA legislação eleitoral prevê que, a partir de hoje (30) e até 48 horas após o encerramento das eleições, nenhum eleitor poderá ser preso ou detido, salvo em flagrante delito, em virtude de sentença criminal condenatória por crime inafiançável ou por desrespeito a salvo-conduto.

Caso haja eleição em segundo turno para presidente da República ou governador, previsto para o dia 26 de outubro, a proibição da prisão de eleitor passa a valer a partir do dia 21 de outubro e também vigora até 48 horas depois do encerramento da votação.

A determinação está no Código Eleitoral, art. 236, caput. (Lei nº 4.737/1965).

Autor

Nome: Robson

E-mail: yughoo@hotmail.com